Monday, November 22, 2010

Grávida no Canadá

E, em menos de dois meses, voltei aqui... Nada mal! ;) Já falei em algum momento aqui no blog que se conseguisse parar para escrever todos os posts que passam por minha cabeça, este blog seria suuuper movimentado. Infelizmente, não é o caso e ainda não tivemos vontade de desativar o coitado (sei que ainda tem alguém aí do outro lado, não tem?!)...

Pouca coisa mudou por aqui desde a última vez em que escrevi. A barriga, na verdade, é a única coisa que mudou; está bem grande e uma colega do trabalho inclusive disse há mais ou menos um mês "mas não fica muito maior que isso não, né?". Imaginem que eu estava na metade da gravidez quando ela disse isso! Mas dêem o desconto de que ela nunca engravidou... O meu consolo é que ganhei pouco peso, abaixo da média inclusive, então fico pensando que é a bebê (isso, vamos ter uma menina!) que é grandinha mesmo. Sou conhecida por ser a grávida de primeira viagem mais tranquila que muita gente já conheceu. Realmente, estou me sentindo ótima! Não tive enjoos e estamos todos muito saudáveis, então não me sinto no direito de reclamar ou de me preocupar com nada.

Acho que o fato de me sentir segura e bem acompanhada pelo sistema de saúde daqui também ajuda bastante na minha tranquilidade. Sempre soube que aqui no Canadá é tudo bem diferente do Brasil, mas não tinha muita idéia ainda de como seria. No fim das contas, as diferenças, para mim, contaram como pontos positivos e estou super satisfeita por estar grávida no Canadá e poder ter meu parto aqui.

Aqui você tem como escolher os meios, ou seja, a forma como você quer ter o seu acompanhamento pré-natal, mas o fim é sempre o mesmo: parto normal! Isso não tem como escolher, a não ser que você tenha uma gravidez de risco ou já tenha tido uma cesárea antes. No meu caso, estava indo à médica de família (como um clínico geral no Brasil) e, quando confirmamos a gravidez, ela me encaminhou pra um grupo de parteiras, médicas e doulas (explico o que é mais na frente) que trabalham juntas num programa custeado pelo governo, como tudo na saúde é aqui. Se eu quisesse, poderia ter um obstetra como eu certamente teria no Brasil, mas queria saber como era esse acompanhamento com parteiras de que tantas brasileiras falam e amam por aqui!

A idéia de evitar uma cesárea aqui é tão forte que uma das parteiras do meu programa comentou comigo numa consulta (inclusive, em cada consulta eu conheço uma diferente) que estava atendendo uma brasileira que fazia questão de ter cesárea e que, por conta disso, teve que ser encaminhada pra uma psicóloga pra tratar da "fobia" do parto normal. Outro exemplo é o de uma moça do meu trabalho que outro dia teve que passar por uma cesárea e estavam todos super preocupados com a situação dela, encaminhando e-mails a todo instante pra dar notícias e super aliviados depois por ouvir que tudo correu bem. Aqui a cesárea é considerada como, pra mim, deveria ser em qualquer canto do mundo: uma cirurgia evitável e super invasiva, com todos os riscos e ônus de qualquer cirurgia.

O conceito de parteira é completamente diferente do que muita gente imagina no Brasil. Aqui, elas passam por um curso universitário de normalmente 4 anos e tem um nível social e cultural como o nosso, ou seja, passam longe daquela coisa de parteira de interior ou dos tempos das avós/bisavós da gente. Elas receitam medicamento e solicitam exames como fazem os médicos e são quem acompanham a sua gravidez 100%, se assim você decidir. Aqui, apenas as parteiras são autorizadas a fazer o parto em casa, os médicos são proibidos.

Além da parteira, o outro conceito diferente por aqui é o da doula. Eu nunca tinha ouvido falar nesse tipo de profissional antes de ficar grávida. Ela aparece em cena quando chega a hora do parto e a sua função é de cuidar da grávida, física e emocionalmente. Através do meu programa, eu terei uma doula de graça, serviço que normalmente é pago. Eu devo encontrar com ela apenas 3 vezes: vou conhecê-la antes do parto, depois é pra ela que eu ligo primeiro quando achar que estou começando o trabalho de parto (e aí nos encontramos em casa ainda ou no hospital pra ela me ajudar a lidar com as contrações e com o parto em si) e, depois de tudo, ela faz uma visita de acompanhamento quando eu já estiver em casa.

O programa que estou indo chama-se SCBP e, tomando por base os comentários que ouço quando digo que estou indo lá, é muito bem conceituado aqui em Vancouver e escolhido por gente de outras cidades próximas, inclusive. Lá me disseram até que nem todas que tentam uma vaga conseguem... No início, eu e Dani (ai dele se não for comigo!) fomos a consultas individuais e depois começou o acompanhamento em grupo (poderia ter optado por continuar com as consultas individuais, mas, mais uma vez, queria poder experimentar o modelo completo do pré-natal daqui). As consultas são uma vez por mês e começam a ficar quinzenais a partir do terceiro trimestre. No grupo, são discutidos temas pré-selecionados e de acordo com o estágio da gravidez e é ótimo poder ver como as outras grávidas (e seus maridos, que têm comparecido em massa!) se sentem também. No horário marcado todo mundo está lá e sozinhas tiramos a pressão, nos pesamos e fazemos um exame de urina no banheiro pra medir glicose e proteína. Depois, a parteira que acompanha o grupo faz um check-up ultra rápido na sua barriga (mede, apalpa e escuta o coraçãozinho do bebê) e fala brevemente do resultado de exames que você fez entre uma visita e outra, se for o caso - tudo isso ela faz entre 5 e 10 minutos! A idéia é levar para a discussão em grupo todas as perguntas, ansiedades, dúvidas e compartilhar o conhecimento. De fato, os encontros são muito ricos!

Os exames que fiz até agora foram poucos para os padrões brasileiros, mas o suficiente para os daqui. Comecei com o de urina e o de sangue pra confirmar a gravidez e medir algumas taxas. Ainda no primeiro trimestre fiz o primeiro ultrassom para, basicamente, confirmar o tempo de gravidez. Resolvemos também que faria os exames opcionais que determinam os riscos de anomalias genéticas como síndrome de down, pois caso houvesse algum indício poderíamos nos preparar desde já (aqui esse exame serve também como base para você abortar, se quiser). Entre a 18ª e a 22ª semana faz-se o segundo e último ultrassom pra avaliar e medir tudo. Foi um exame super detalhado e longo (30 a 40 minutos) e só deixaram Dani entrar na sala no fim, quando a técnica (quem faz ultrassom aqui não é médico), super simpática por sinal, passou mais uns bons 10 minutos mostrando as partes do corpo pra gente e explicando o que era o que (as futuras mamães normais ficam encantadas com o coraçãozinho batendo, mas eu fiquei quando vi a coluna, toda formadinha!). Aqui é proibido falar qual é o sexo do bebê antes da 20ª semana, mas ela revelou pra gente pois só faltava um dia pra completar. Semana passada eu fiz o teste opcional de diabetes gestacional e acho que não falta mais nada agora, só se precisar confirmar alguma condição que se desenvolva daqui pra a data do parto.

Outra coisa legal aqui é que, se você tem a cobertura de saúde estendida pela sua empresa, você pode usufruir de alguns acompanhamentos extras. No meu caso, decidi usar o plano da empresa pra cobrir parte das despesas com serviços profissionais particulares. O governo não cobre, mas se o plano da empresa paga, por que não? Falando com algumas pessoas, cheguei a uma chiropractor daqui especializada em grávidas e a uma clínica de massagem pré e pós-natal. Tudo para evitar dores na coluna, já que tenho um pequeno histórico. Outra vantagem do plano estendido é poder ficar em quarto individual no hospital sem custos adicionais (que seria pouco menos do que 200 dólares por diária no hospital para onde vou).

Concluindo, o que percebi até agora é que todo o modelo aqui gira em torno de uma condição normal de uma fase da vida do ser humano. Aqui as grávidas não têm preferência em fila ou em ônibus e são consideradas pessoas normais, sem privilégios. Grávida ansiosa e desesperada sofre um bocado aqui; ninguém vai alimentar as ânsias ou resolver as coisas quando você der um chilique... você também não vai conseguir fazer um terceiro ultrassom porque não conseguiu ver o sexo do bebê (a não ser pagando do seu bolso). Neste processo todo, estou tentando relaxar, aprender com o jeito como as coisas são aqui e, principalmente, confiar no sistema de saúde daqui - que, "apesar" de público e às vezes demorado, é justo, funciona e é reconhecido mundialmente por algum motivo.

E, enquanto a troca incansável de fraldas não chega, vamos tentando organizar as coisinhas do quarto (que, com a ajuda de um milagre, vai ser no atual escritório, já que moramos num 1 bedroom + den) e comprar os acessórios de primeira necessidade. Confesso que as únicas coisas que compramos até agora, a praticamente 3 meses e meio da data provável do parto, foram dois pares de luvinhas e meinhas! Mas eu prometo que a filhotinha vai ter tudo daqui pra lá e vai ser muito bem cuidada! ;)

20 comments:

Rafael said...

que legal q esta gravida.... parabensssssssssss :)

Priscilla, Mauricio e João Pedro!! said...

Oie, tem alguém do outro lado sim, hahaha.
Muito bom o seu post. Estamos planejando um segundo bebê e a idéia de viver esta experiência por aqui me aflige um pouco...
Bom saber um pouco mais sobre as parteiras, afinal elas sao mais uma opçao, uma vez que, pelo menos aqui em Montréal, é super dificil conseguir um obstetra!!!
Bom final de gravidez, curte bastante tua bebezinha.

Pri, Mau e JP.

Rav said...

Parabéns pela bb. Acompanhando o blog sempre q vc atualiza!

Anonymous said...

Mariana, parabéns pela gravidez! Eu acompanhava o seu blog até ter desistido da imigração. Passei casualmente por aqui hoje e fiquei muito contente por você.

Eu costumo dizer que a melhor coisa que fiz na vida foram FILHOS, tenho 3! Espero que você seja muito feliz.

Abraços,

Hermes

Márcio said...

Oi Mariana,

Que legal saber que vocês também estão grávidos! Qual a due date?

Nós também estamos esperando nosso primeiro filho, que nasce em meados de Janeiro... tem sido uma experiência maravilhosa a "nossa" gravidez! Tenho certeza de que vocês também estão curtindo bastante...

Muitas felicidades pra vocês três!

Abraços,

Marcio

Ma said...

olá Mariana!
Adorei o seu post!!
Muito obrigada por dividir essas informações conosco, é muito importante para nós que também queremos ser mamães no Canadá!
Espero de coração que dê tudo certo para vcs, que a bebê seja linda e saudável, e que vcs sejam cada vez mais felizes...
By the way, se não for pedir muito, vc poderia mais pra frente falar um pouco de como o mercado de trabalho daí encara (na hora da contratação) mulheres em idade reprodutiva e sem filhos (ou seja, que provavelmente terão em breve) - há preconceito? E sobre licença maternidade, é um ano mesmo? Vc pretende voltar a trabalhar depois q a licença terminar?
Bom, mas não quero incomodá-la, só se vc tiver tempo e tiver a fim de falar no assunto... pois é uma grande curiosidade minha, e geralmente quem chega aí simplesmente para de compartilhar as informações nos blogs!
Um grande abraço e tudo de bom!!!!!

Mila e Arlei said...

Oi Mari,
Que bom que vcs deram noticias!
So faltou a foto da barriga.
Um grande abraco para vcs.

Alice said...

Oi Mariana!
Parabéns pelo post. Aliás, o blog é sempre muito legal e cheio de informações boas. Assim vale até a pena esperar dois meses para ler o proximo post!! =]
Bem, espero que eu seja uma grávida relax como vc, e pode ter certeza que virei buscar informacoes no seu blog! =]

bjs
Alice

Alice said...

Ah, esqueci de falar, queria fazer coro com o comment da "Ma". Bem, se tiver tempo e paciência, essas informações seriam de grande importancia para quem pretende ter filhos no Canada! :)

bjs

Michele said...

Mariana,

Adoro seu blog. Acho que vc não tem idéia do qto ele é útil!!!
Vc escreve super bem e nos ajuda muito com sua experiência.
Não desista do blog, please!!!
Parabéns pela gravidez. Que esta menininha venha ao mundo saudável e traga muitas alegrias.
Eu e meu marido estamos indo para Vancouver no início de fevereiro e descobri semana passada que estou grávida (6 semanas). Vou ter meu bebê aí. Imagina qtas dúvidas estão passando na minha cabeça!!!
Sei que sua vida é super ocupada e deve ser difícil dar conta de tudo, mas gostaria de manter contato com vcs. Lendo seu blog vejo afinidades na maneira de encarar a vida e esta troca de experiências ajuda bastante.
Como dito nos comentários acima se for possível vc poderia falar sobre licença maternidade, mercado de trabalho (vc sabe se contratam grávidas???)
Obrigada pela sua atenção.
Grande abraço
Michele

Ellen said...

Mariana,


Com certeza tem muita gente "do outro lado", te acompanhando e torcendo por vocês.
As informações são sempre super importantes, principalmente quando há a diferença brasil x canadá, em determinadas situações.
Desejo muuuuuita saúde para a sua filhota.
Beijos

PS. Não nos abandone... hehehe

Ursos no Canadá said...

Oi, Mari!

Ótimas informações p/ quem quer um baby canadense!

Que Jesus os abençoe grandemente!

Ale

http://ursosnocanada.blogspot.com

César, Valéria, Lara e Anaclara said...

Com certeza um dos melhores posts que já li sobre o assunto. Parabéns.

E a vida segue...

Delta said...

Nossa!!! Tem várias pessoas desse lado ainda rsrs
Mas além disso, vc super me convenceu a ser mamãe no Canadá! Adorei o post, obrigada!
Beijos, Dani

Michele said...

Mariana,

Como te contei estou grávida e eu e meu marido iremos pra Vancouver no início de fevereiro. Nosso plano inicial era ir em Abril. Agora estamos correndo contra o tempo para dar conta de tudo.
Estamos procurando acomodação temporária. Li em seu blog que vc ficou da casa da Dona Lam.
Fizemos contato com ela e parece que estará disponível no período de nossa chegada. Queria saber sobre suas impressões. Vc gostou de ficar lá? A casa é limpa? Ela é receptiva? Quais aspectos vc não gostou? E do que gostou mais?
Mais uma vez obrigada!!!
Abç
Michele
vancouveraquivamosnos.blogspot.com

Rêver du Québec said...

Parabéns pela princesinha!! Acho o máximo a forma como vc encara a gestação em si, o parto que tanto asusta, principalmente por ser normal, parabéns por ser tão tranquila e aberta a todas as novidades. Deus abençoe sua família e que vc tenha o melhor e mais tranquilo parto do mundo!! bjs

Com o pé no Canadá said...

Esse é um assunto no qual eu penso muito... nunca pensei em ter parto normal... minha cunhada quase morreu num parto normal... aqui no Brasil nao temos boa visão sobre o parto normal... entao pensar que ai no Canadá essa á regra... nao tem como escolher assusta um pouco.

Maaaas... q venho o Canada com suas surpresas :)

Bjs, Sa

Erika e Reuel said...

Ei Mariana!!
parabens pela gravidez!!!
eu tb estou desfrutando dos servicos do Canada!!
estou amando o acompanhamento!!
meu due date eh dia 9 de marco...qd eh o seu???
Deus guarde vcs! um bjao!!

PTB&P said...

Mariana! Quero imigrar pro Canadá..já abri meu processo e tudo!
Vc sabe como faz para ter parto em casa aí?
Meu filho nasceu de Parto Domiciliar aqui no Brasil e quero repetir o feito no Canadá!
Como q deve funcionar aí?
bj

rizia said...

vc pode me mandar um email falando oq ira acontecer se eu for pro canada com meu marido com visto de turista e querer que meu bb nasça ai dentro do visto? vou ter q pagar? qto?